Sexta-Feira, 21 de Setembro de 2018 -
     
Home > Museu do Cavalo e Museu Municipal
 



O MUSEU MUNICIPAL DE COLINA

Criado por meio da Lei Municipal nº. 1.439 de 05 de abril de 1988 e inaugurado em 17 de abril de 1988, na Administração Municipal do Prefeito Assad Antonio Daher, o Museu Municipal de Colina guarda móveis, objetos, livros e fotos que reverenciam fatos históricos importantes do município de Colina, compilados num acervo riquíssimo que soma atualmente cerca de 500 itens originários de doações por famílias e instituições colinenses.

Ao adentrar o Museu pelo acesso principal, a escadaria original em mármore e os portões originais, e logo na recepção encontram-se objetos que guardam a memória da Estação
Ferroviária, como o telégrafo, a lanterna, o marcador das passagens e a bilheteria em madeira com as suas características originais preservadas. Ainda na sala de recepção podem ser apreciadas diversas fotografias, entre elas dos fundadores, das primeiras famílias que residiram em Colina, da historia dos times colinenses de futebol, das escolas e de peculiaridades locais; escrivaninha e cadeiras antigas; e um expositor com a coleção de livros de escritores colinenses.

Na segunda sala, à esquerda, encontram-se objetos e móveis da Maternidade “Alice Dias” da década de 1950; receituário médico do Dr. Manoel Palomino Fernandes do ano de 1965; utensílios da Pharmácia Santa Izabel que pertenceram ao Sr. Fioravante Caldana, farmacêutico por 57 anos em Colina; a galeria de fotos com todos os Prefeitos de Colina; objetos, vestimentas e a Bandeira Nacional usados na 2ª Guerra Mundial pelos combatentes colinenses Ângelo Zardine e Roberto Marcondes; objetos de soldados que participaram da Revolução Constitucionalista de 1932; objetos da primeira Casa Bancária de Colina; cédulas e moedas antigas; o Projeto Arquitetônico original da Ponte Alice Dias e a foto da sua construção na década de 1930; um armário com diversas objetos raros que datam do século XIX entre outros períodos do século XX, pertencentes a famílias colinenses; a cadeira de balanço da matriarca D. Ignácia Junqueira de Toledo; o livro caixa da Casa Comercial São Nicolau de secos e molhados; implementos agrícolas das décadas de 1930 e 1940 usados no processo de plantação, torrefação e moagem do café; o lavabo com espelho de cristal que pertenceu ao mobiliário da Fazenda Onça; utensílios domésticos que remontam aos costumes familiares antigos e aparelhos de telefone das décadas de 1940 e 1950.

Na terceira sala, à direita, podem ser apreciados os dois projetores americanos das películas, as cadeiras e o ventilador que eram do Cine Teatro Santa Helena e, posteriormente, do Cine Colina; TVs das décadas de 1950; rádios; vitrolas e discos de vinis.

Adentrando mais um pouco, na quarta sala pode ser apreciado o gabinete odontológico composto de cadeira, caneta, cuspidor e aparelho de raio x muito antigos que pertenceram ao Dr. Cássio Nogueira Bertazzi; computador dos anos 1980; diversas máquinas de costura, sendo uma delas do século XIX; diversas máquinas de escrever; objetos de salão de beleza e exemplares do jornal O Colinense.

No sanitário da Estação, preservado originalmente com adequações de acessibilidade, estão expostos dois lavatórios antigos.

Na parte externa do Museu Municipal, podem ser apreciadas na plataforma, as placas indicativas que foram restauradas, os trilhos por onde as composições percorriam seus trajetos e ainda, a monumental Ponte Alice Dias que faz a ligação sobre os trilhos, da parte baixa (comercial) com a parte alta (residencial) onde o vilarejo de Colina iniciou o seu desenvolvimento, ou seja, da Avenida do Café, hoje Ângelo Martins Tristão, com a avenida Cel. José Venâncio Dias.

O Museu Municipal de Colina, instalado na antiga Estação Ferroviária, com suas características arquitetônicas originais cuidadosamente preservadas, cumpre rigorosamente sua missão museológica de preservar a memória de fatos históricos e costumes colinenses ao longo do seu progresso.

Visite o Museu Municipal de Colina, orgulho dos colinenses, e você também vai se encantar!

Avenida Ângelo Martins Tristão nº 138, Centro, Colina-SP.

Campanha permanente de doação de fotos e objetos históricos. Contribua para o seu Museu!





MUSEU MUNICIPAL DO CAVALO DE COLINA
Rua: Antônio Paulo de Miranda, s/n°- Recinto Municipal
museudocavalo@colina.sp.gov.br
Telefone: (17)3341-94-44 ramal 267


Em abril de 2017, foi iniciado o projeto Museu Municipal do Cavalo de Colina, pela professora e Médica Veterinária Dra. Marcela Jorge Drubi. O espaço tem como principal objetivo, resgatar o passado, reverenciando os principais acontecimentos sociais, políticos e esportivos, que tornaram a nossa cidade a‘’Capital Nacional do Cavalo’’. Em julho, durante a 40° Festa do Cavalo, aconteceu a primeira exposição, com um número de 891 visitantes nos 5 dias; e em setembro sua inauguração.
Atualmente, o Museu do Cavalo está dividido em 4 salas e uma área externa para vídeos e apreciações de quadros e fotos relacionadas a cavaleiros, amazonas e tratadores.

Na sala 1 - o visitante pode apreciar as primeiras influências que tornaram o cavalo um símbolo para a cidade: primeiros criadores, os Junqueiras, responsáveis por introduzirem a raça Mangalarga em Colina, o primeiro Prefeito Antônio Junqueira Franco (Nico) que juntamente com a emancipação do município na década de 20, fundou o Clube Hípico de Colina- o pólo – onde seus fundadores e sócios introduziram a paixão pelo cavalo e já praticavam o esporte dos reis, acessórios usados na prática desse belo esporte equestre, como capacetes, bolas doados por polistas, tacos, joelhereiras, caneleiras e fardas, o troféu do Helvetia Polo Club em homenagem ao polista colinense Juracy Santos (In memorian), Rainha da Inglaterra, Elizabeth II homenageando a égua Elke,o melhor animal da temporada da Inglaterra em 1984 do polista Silvio Junqueira Novaes. E a Coudelaria Paulista - hoje APTA- Agência Paulista Tecnológica da Alta Mogiana, que desde a década de 30 promove o melhoramento genético na área da equideocultura e o fornecimento de cavalos à Polícia Militar de São Paulo, desde a Revolução Constitucionalista em 1932.

Na sala 2 - o mais nobre dos animais - o cavalo; sua anatomia, os acessórios necessários a cavalgada e aos cuidados com o cascos já que o animal pesa entre 350 à 1000 Kg dependendo a raça. Acessórios doados como a grosa, torques, ferraduras; estribos, esporas, selas, baixeiro, peitoral, cabeçada, quepes, bonés, chapéus, botas, capa de chuva do cavaleiro, embocadura, cabresto, barrigada, arreio, troféus, materias doados por cavaleiros e tratadores. A escola de equitação dos anos 80 e os primeiros alunos, a fundação em 2002 pelo Prefeito Dieb Taha, do Projeto Equitação Educativa - que propicia a prática do hipismo a todas as pessoas, entre 7 a 18 anos de idade. Singela homenagem ao cavalo Sereno, o mais velho do Recinto, animal e professor de todo aluno iniciante do Projeto Equitação Educativa, que foi doado ao projeto aos 15 e até hoje, aos 34 anos em atividade. O cavalo Puro Sangue Inglês Huaso, Record Mundial em salto – 2,47m no Chile em 1949, esculturas ‘’o cavalo ‘’do artista colinense João Gonzaga Macedo (In memorian) e o quadro do artista colinense Hugo Tristão (In memorian,) o cavalo Bretão chamado Desprezo, da Coudelaria Paulista.

Na sala 3 - a Concessão das terras para a construção do Recinto 9 de Julho pelo Prefeito Mário de Felício e a primeira Festa do Cavalo em 1978, os primeiros cartazes da festa,o jornal de inauguração da festa, O colinense de 09 de julho de 1978 com o discursso de inauguração da Festa do Cavalo pelo Prefeito Mário de Felício, o vestido e a faixa da rainha da Festa do Cavalo de 1994, Lúcia Maria Cháboli, alguns presidentes e rainhas da festa, quadros ‘’o cavalo’’ do escultor colinense João Gonzaga Macedo, o livro ‘’ Colina- Capital Nacional do Cavalo’’ de autoria da escritora colinense Syria Drubi (In memorian), a Revista da inauguração do Projeto Equitação Educativa, o Certificado em Homenagem ao tratador e vereador Eurípedes César Rodrigues - Liu, que juntamente com auxiliares foi o responsável por ferrar os muares da Cavalgada Tropa 500- em comemoração aos 500 anos de Descobrimento do Brasil em 2000, no trajeto de Tanabi/ Bálsamo até São Vicente. O Diploma de Participação ao Clube do Cavalo de Colina - agradecimento do Comitê Organizador dos XV Jogos Pan-Americanos Rio 2007 por sua importante participação para o sucesso dos Jogos Pan-Americanos Rio 2007 e constante apoio ao esporte olímpico brasileiro.

Na sala 4 - homenagem a inesquecível égua Xilena (In memorian), da raça Brasileiro de Hipismo, nascida em Colina na Coudelaria Paulista. Xilena era de propriedade do cavaleiro Luciano Miranda Drubi (Luctho) e foi considerada a Rainha do CCE. Nessa sala vemos alguns títulos dos 5 cavaleiros colinenses de destaque internacional: André Ricardo Parro, Carlos Eduardo Parro (Kaká), Luciano Miranda Drubi (Luctho), Márcio Carvalho Jorge e Nilson Moreira da Silva. Apreciação de colete usado na prática de Cross country, roupas usadas em Olimpíadas e doadas pelos cavaleiros André Ricardo Parro e Luciano Miranda Drubi, livro dos Records Guiness Book, a qual o cavaleiro colinense Luciano Miranda Drubi está imortalizado depois de se classificar no 60° lugar nas Olimpíadas de Barcelona de 1992, após o Brasil ter ficado ausente de participação em Olimpíadas por 42 anos. Os dois passaportes da égua Xilena, a capa em sua homenagem, escarapelas e blazers oficiais assim como o passaporte do cavaleiro Luciano Miranda Drubi (Luctho), a Bandeira Nacional do cavaleiro André Ricardo Parro, com o autógrafo de vários esportistas brasileiros que participaram dos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro em 2007, etc.

Visite o Museu do Cavalo e aprecie nossa história!

Horários de funcionamento:
Segunda à sexta-feira- das 8h00 às 11h00 e das 13h00 às 17h00.
Pré-agendamento de visitação escolar pelo e-mail:
museudocavalo@colina.sp.gov.br ou pelos telefones:
(17) 3341-94-44 ramal - 267
(17) 99173-46-18